30jun

Uma visita a Casa da Cascata de Frank Lloyd Wright

No nosso planejamento de visitas nos Estados Unidos decidimos fazer uma parada no caminho para visitar a chamada Casa da Cascata (Fallingwater) uma casa muito especial para qualquer um interessado em arquitetura e considerada uma das obras primas do arquiteto Frank Lloyd Wright.

A casa é reconhecida pelo seu estilo moderno em plenos anos 30, estes conhecidos pelo detalhamento e rebuscamento nos detalhes arquitetônicos. Mas talvez o destaque mais importante é que a casa, como o próprio nome diz, foi construída sobre uma pequena queda d’água, mas sem alterar o percurso da água. Dessa forma, o projeto de Frank Lloyd Wright é também um sinônimo de respeito e abraço a natureza ao não alterar o entorno para fazer a construção da mesma e trazendo o ambiente exterior para o interior.

A casa tem tudo que um projeto de renome do Frank Lloyd Wright pede. Móveis, luminárias, esquadrias, tapetes e tudo mais desenhado nos mínimos detalhes pela equipe do arquiteto. A casa construída para a família Kaufmann foi doada em 1964 e transformada para o nosso deleite em museu e por causa disso hoje é visitada por milhares de pessoas todos os anos.

Como visitar?

A casa que agora funciona como museu oferece diferentes formas de visitas guiadas para os visitantes. O mais básico custa US$20,00 e deve ser comprado antecipadamente, pois ainda que o ingresso possa ser comprado diretamente na casa há uma boa chance de você só conseguir um horário para algumas horas depois. Quando visitamos a casa no horário das 10h00 da manhã fomos o quarto grupo a visitar a casa, mas às 13h já haviam visitado a casa cerca de 35 grupos.

Além dessa visita guiada simples há ainda visitas em profundidade que duram cerca de duas horas e são recomendadíssimas para arquitetos(as) e custam US$65,00. Outras opções incluem café da manhã e até jantares na casa.

O tour básico não permite tirar fotos dentro da casa, mas fora da casa as fotografias estão liberadas.

 

Como chegar na Casa da Cascata?

A primeira opção é alugar um carro na cidade de Pittsburgh, PA. Para isso você tem que ter o PID (Permissão Internacional para Dirigir) e que deve ser feita ainda no Brasil. Outro detalhe importante é que na hora de alugar o veículo a pessoa que possui o PID deve ser também a pessoa que está pagando o aluguel com o cartão de crédito. Ou seja, tanto o nome que consta no PID quanto o nome impresso no cartão de crédito devem ser iguais. Nós não pudemos alugar um carro justamente por causa disso. Pittsburgh fica em torno de 1 hora e meia a duas horas de distância da Casa da Cascata e a viagem é bem tranquila. Para detalhes sobre estradas e afins consulte o site da Fallingwater

A segunda opção (e a escolhida por nós) é ir de trem de Pittsburgh para uma cidade próxima (30 minutos) chamada Connellsville, PA  que possui cerca de 8 mil habitantes. O sistema de trem se chama Amtrak e atualmente o trem que faz o trajeto saí às 04h50 da manhã de Pittsburgh em direção a Connellsville com chegada prevista para 06h30 da manhã.

O problema é que não existe serviço de táxi ou qualquer outro serviço de transporte para chegar na Casa da Cascata na cidade. Minha dica é você entrar em contato com o John e a Lucy da hospedagem Connellsville Bed and Breakfast. Como um serviço adicional o John leva os hóspedes para a Casa da Cascata. Ele não irá te informar um valor específico por email ou pessoalmente, pois ele não pode regularmente oferecer esse tipo de serviço uma vez que ele não tem licença. Foi o John que nos levou para a Casa da Cascata e ele foi muito atencioso assim como a Lucy.

Para voltar a Pittsburgh você pode pegar o mesmo trem às 21h47 da noite com chegada prevista para às 23h48.

A terceira opção seria pegar um trem via Amtrak, ou um ônibus pela Greyhound para a cidade de Greensburg, PA e então tentar algum dos serviços de táxi recomendados pela Casa da Cascata. Os números que eu tentei não ofereciam táxi para a cidade de Connellsville, mas talvez para a cidade de Greensburg eles ofereçam o serviço.

Leia mais »

11mar

Um farol na ilha de Tjøme, Noruega

O que acham de um farol bem arcaico no meio da ilha de Tjøme na Noruega. Infelizmente não temos nenhuma informação sobre a história desse farol e muito menos a localização exata. Encontramos no post da revista Condé Nast Traveler sobre a Noruega.

9jan

Uma casa de madeira de 45m² por R$ 5 milhões?

Poderia ser absurdo se a casa não estivesse localizada em Laupahoehoe no Havaí; se o terreno não fosse de espaçosos 20 hectares; se a casa não tivesse uma vista deslumbrante de frente para o mar; e se não fosse a possibilidade de observar pela janela diariamente baleias, golfinhos e tartarugas.

Aí acho que daria para dizer que valor da casa de apenas 45m² é até barato. Você pode comprar a casa no site Sotheby, mas não esqueça de me convidar.

Fonte: G1, Curbed

31dez

25 Portas – Parte 1

Selecionamos 25 portas, não simples portas, mas portas que ao obervarmos elas nos falam por si sua história, expressão e tempo, modificação, manutenção, ferrugem, valor, características próprias e inspiração.

Leia mais »

20nov

Pequenas Casas #1 – House in Hiro

Hoje vamos começar uma série dedicada exclusivamente para projetos de pequenas casas que aproveitam muito bem os espaços. A primeira casa é a projetada pelo estúdio Suppose design office e localizada na cidade de Hiroshima no Japão.

A casa de dois pavimentos e de apenas 66,50m² de área total construída parece um simples bloco, mas esconde um amplo pátio que permite a entrada de luz natural e ventilação para todos os cômodos minimalistas da casa.

O projeto “House in Hiro” foi finalizado em 2009 em uma área de terreno de 78,34m² e com área construída de 37,39m². As fotografias são do Toshiyuki Yano.

Outros Blogs